Mulheres na área de TI: As mudanças no mercado.

Mulheres na área de TI: As mudanças no mercado.

Você sabia que em grandes empresas como Apple e Google o número de mulheres no quadro de funcionários chega, em média, a apenas 30%?
No vale do silício, os números são ainda menores quando falamos sobre os cargos executivos, chegando à média de 11%.
Mesmo as mulheres sendo maioria nas universidades, quando se fala de tecnologia, elas são minoria.

Porém, empresas do setor têm se empenhado para mudar esse cenário e igualar a presença e remuneração no mercado.

Por que há poucas mulheres nessa área?

O estereótipo é de que mulher nunca pode errar. Se a mulher não for perfeita em tudo, ela não é boa o suficiente. Esse tipo de pensamento acaba gerando maior cobrança por parte da sociedade, e a ideia de que tecnologia não é lugar para mulheres acaba se disseminando ainda mais.

Uma pesquisa britânica mostrou que a economia do país poderia ser beneficiada se mais mulheres trabalhassem no setor de TI, pelas habilidades de comunicação e ideias mais inovadoras.

Por isso, temos a necessidade de falar sobre esse assunto e inspirar mais mulheres a ingressarem no mundo da tecnologia.

Mulheres na TI não é novidade

O ambiente predominantemente masculino e a competitividade desigual podem fazer com que essas profissionais não se sintam acolhidas e fiquem isoladas.

Mesmo existindo comunidades femininas que se apoiam e ajudam na trajetória de outras mulheres na tecnologia, ainda assim, pouco se fala das contribuições femininas e de sua importância.

As mulheres tiveram grande responsabilidade na construção das bases da computação e da internet, e foram simplesmente apagadas da história.

Você sabia que o primeiro ser humano considerado programador foi uma mulher?

Essa mulher é a Ada Lovelace, uma matemática. Ela foi uma das responsáveis por desenvolver o computador que temos hoje e criadora do primeiro algoritmo do mundo.

Outro grande exemplo é Hedy Lamarr, conhecida por seu trabalho como atriz de Hollywood. Ela foi uma cientista responsável por várias invenções que inovaram a tecnologia, uma dessas invenções serviu como base para a criação do Wi-Fi.

Temos a Grace Hopper, analista de sistemas da Marinha Americana e criadora da linguagem de programação Flow – Matic, que serviu como base para o COBOL, ela também inventou o termo “bug”.

Por fim, a Stephanie “Steve” Shirley, criadora da primeira “Software House” remota na década de 60. Ela inventou o termo “freela” e foi inventora do primeiro software embarcado da Boeing.

Apesar desse apagamento histórico, atualmente o número de mulheres na área tem crescido, graças à constante evolução do mercado de tecnologia.

CONCLUSÃO

Segundo a diretora de vendas corporativas da CommScope, Elayne Martins, é preciso estimular a mudança na base de formação acadêmica e profissional.

Talvez pelo fato de o mercado de tecnologia estar em constante evolução, estes paradigmas estejam sendo quebrados mais rapidamente.

A geração de hoje veio para inspirar a geração do amanhã, para que não haja mais distinção de gênero e que todos que desejarem trabalhar com tecnologia, tenham oportunidade.

Gostou deste artigo? Agora conheça nossas soluções mais rentáveis disponíveis no mercado de tecnologia

Contato comercial

endereço R. da Alfândega, 81 - 3o Andar
Centro, Rio de Janeiro - RJ
CEP 20070-004
e-mail comercial@ghwesco.comtelefone 21 2131-7662

© GHWesco 2021 - Todos os direitos reservados